Brasileiro’16: Grêmio domina, mas sofre para vencer o Figueira

27602886424_3c308aa14e_k

Poucos botavam fé em Bobô, mas ele conseguiu salvar o Grêmio na partida. Foto: Lucas Uebel/Grêmio FPBA

Foi por muito pouco que um crime não foi cometido na Arena. Por sorte, quando tudo parecia acabado aos 47 minutos do segundo tempo, Bobô recebeu o passe de Pedro Rocha e fez o gol da vitória do Grêmio por 2 a 1 sobre o Figueirense, na manhã deste domingo (10), pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2016. O Tricolor teve amplo domínio, fez um futebol inteligente, pressionando os catarinenses no campo de ataque, mantendo-os longe da área defendida por Marcelo Grohe, mas pecou na eficiência e permitiu um susto nos instantes finais da partida.

O Grêmio teve 60% de posse de bola sobre o Figueirense e finalizou 26 vezes à meta do goleiro Thiago Rodrigues. No entanto, pecava na hora de liquidar a partida quando o placar ainda estava 1 a 0, graças ao gol de Walace aos 44 minutos da etapa inicial, em chute fora da área. Até que aos 30 minutos segundo tempo, em uma única oportunidade do time catarinense no segundo tempo até ali, ocorreu o pior. Pela direita, um lançamento de Dodô, em seguida, uma bola mal afastada por Fred e por fim um chute certeiro de Ayrton para empatar a partida.

O placar desequilibrou emocionalmente o Grêmio, que ainda permitiu mais uma chance para o Figueirense em uma bola erroneamente recuada de Edílson para Grohe. Por sorte, Rafael Thyere tirou a bola antes do rebote do adversário. O Tricolor, que via a chance de encostar no Corinthians e Palmeiras, na ponta de cima da tabela de classificação, ficar distante no horizonte, não conseguia mais dominar por completo a partida e partiu para o abafa, com mais bolas alçadas, menos toque de bola.

27936694830_34fecb7375_k.jpg

Everton novamente se destacou pela movimentação e finalizações. Foto: Lucas Uebel/Grêmio FPBA

Por sorte, Roger tem estrela, na qual torcemos para que se transforme em “sorte de campeão” em dezembro. O treinador tinha colocado logo após o gol dos catarinenses Pedro Rocha e Bobô, no lugar de Douglas e Walace – antes disso, Miler Bolaños substituiu Luan. Foi exatamente numa jogada de Pedro Rocha, que o desacreditado Bobô recebeu a bola na grande área e finalizou ao gol, dando enfim os três pontos ao Grêmio.

Na partida, vale destacar mais uma vez as grandes atuações de Everton e Jailson, hoje titulares absolutos no time de Roger. Uma pena que não se pode dizer o mesmo de Giuliano, que segue errando passes bobos, de curta distância e ainda não consegue fazer a diferença a favor do Tricolor. Luan teve uma atuação mediana, mostrou esforço, mas estava sem luz na partida deste domingo. E Bolaños entrou completamente desligado no jogo, cobrando um dos piores escanteios que já presenciei.

O Grêmio fez na partida contra o Figueirense o que faltou contra o Internacional, na vitória de 1 a 0 na semana passada, no Beira-Rio. O time adotou a tática da “melhor defesa é o ataque” e pressionou o rival no seu campo de defesa, diferentemente do que fez no Grenal 410, quando recuou em demasia e somente não sofreu o empate por incompetência da equipe colorada. No entanto, ainda falta ao time de Roger eficiência nas finalizações. No fim, o placar foi 2 a 1, mas poderia ser facilmente 5 a 1.

28139627231_0847aa26ac_k.jpg

O Grêmio teve 60% da posse de bola, finalizou 26 vezes, mas faltou eficiência. Foto: Lucas Uebel/Grêmio FPBA

Com a vitória, o Grêmio chega a 27 pontos, um a menos que o Corinthians e Palmeiras. O time alvinegro venceu a Chapecoense por 2 a 0 na Arena Condá, em Chapecó (SC), neste sábado (09); já o alviverde paulista faz o clássico contra o Santos na Allianz Parque, nesta terça-feira (12). Um empate no clássico seria o melhor resultado para o Tricolor, mantendo a distância razoável ao líder, enquanto garantiria uma distância razoável ao Peixe, hoje com 22 pontos.

O próximo compromisso do Grêmio será no próximo domingo (17), contra o Sport, na Ilha do Retiro, em Recife (PE). O time pernambucano está na penúltima colocação na tabela, com apenas 12 pontos. Mesmo assim, não será jogo fácil na capital pernambucana. O time de Roger terá de tomar cuidado com Diego Souza e Gabriel Xavier. E, claro, não jogar recuado em demasia, pois a torcida do Sport é forte em casa e a equipe precisará jogar a vida para se afastar da zona de rebaixamento. Neste caso, compensa jogar no contragolpe, uma vez que a zaga do Sport é lenta e pesada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s